quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Cada um por si...

Ontem, alguém me disse que, nos tempos que decorrem, não há outra solução se não cada um de zelar por si e aderir à modalidade do "salve-se quem puder". Dizia isto como fazendo uma referência a uma nova atitude, algo que constituía um imperativo para nos safarmos dos desafios e dificuldades que nos esperam.
 
Mas não é isto que temos feito toda a vida? Tentar ao máximo desenrascarmo-nos e os outros que se danem? Não vejo que esta forma de estar na vida traga algo de novo ao que já vivemos antes...
 
O mais provável é que seja esta atitude uma das  responsáveis pelo que vivenciamos agora. Parece-me que já vai sendo tempo de adoptar comportamentos realmente inovadores...
 
 
 
 
Inté*

11 comentários:

V* disse...

Ora aí está!
Agora tocaste no ponto essencial...

Uma Rapariga Simples disse...

Fiquei a pensar... quanto a mim, acho que é o oposto, dou o sangue dos braços, se preciso for, e depois fico sempre como o belo do mexilhão.

Luciano Craveiro disse...

(estou a ver que andas numa fase em que pensas que podes mudar o mundo)

;)

Miss Worm disse...

Pois que nunca pensei muito assim... sou mais dada a pensamentos destes quando estou em baixo ou chateada com a vida.

Mam'Zelle Moustache disse...

Comportamentos realmente inovadores? Ui... isso dá muito trabalho, estudante! ;p

Estudante disse...

V*: ;)

Uma Rapariga Simples: pois, talvez nem sempre compense a nível pessoal... mas compensa sempre de uma outra maneira :)

Luciano Craveiro: e não posso? Todos podemos! ;)

Miss Worm: pois, tmabém me parece que esta atitude é mais própria de alguém zangado :P

Mam'Zelle Moustache: ahaha x) mas tem de ser!

Ritinha disse...

Só penso assim quando estou realmente bastante chateada com tudo e todos!

Paula disse...

Vivam os mosqueteiros: um por todos e todos por um! Isso é que era!...

Estudante disse...

Ritinha: :)

Paula: ahaha xD

Catarina Reis disse...

Pois... cada vez mais é o que se vê por aí... e na governação essa parece ser uma máxima. Beijinhos

Estudante disse...

Catarina Reis: comodismo, é o que é!...