sexta-feira, 29 de maio de 2015

Dos "para sempre"

Hoje, enquanto navegava preguiçosamente pelo feed de notícias do Facebook, apercebi-me que uma rapariga que conheço tem um novo namorado (nunca percebi muito bem as "saídas" foleiras com que as pessoas se declaram umas às outras, assim à mercê da atenção de toda a gente, mas enfim...). Ora, acontece que, para bem ou para mal, eu sou uma pessoa que ainda vai tendo alguns gigas de memória e lembro-me perfeitamente do ex-namorado desta tal rapariga. E também me lembro de como se amavam mutuamente e faziam promessas e declarações de um amor eterno ('tá bem, 'tá...) que só o foi até acabar. E agora, ver como tudo se repete, enxertado num amor que outrora seria até ao final das suas vidas e mais além, é quase um dejà vú.
 
Devo dizer-vos que soltei uma gargalhadinha. Não daquelas maldosas, apenas uma gargalhada de quem assiste a esta comédia que é a natureza humana (e à qual eu não sou imune). Eu não sei bem se este aspecto de amarmos "para sempre" as pessoas que amamos, para depois encontrarmos outras que voltamos a amar "para sempre" é uma limitação ou uma proeza.
 
Fico na dúvida se tal será uma limitação nossa pelo facto de, na grande parte das vezes, não sermos capazes de mantermos a promessa de amarmos para sempre quem julgamos amar incondicionalmente, ou se, ao invés, será uma espécie de super-poder que nos permite amar "para sempre" inúmeras vezes. Eu prefiro optar pela segunda. Sou apologista de que nós não temos "A" metade da laranja. Nós não somos metade de nada; nós somos inteiros. E somos tão inteiros e tão grandes, que o nosso amor não tem um plafond que, uma vez esgotado, já não tem retorno.  Nós somos tão grandes quanto tão grande for o nosso amor pelos outros.
 
É isso. Nós amamos sempre "para sempre" quem amamos. Só que uma pessoa de cada vez.
 
 
 
Inté*
 
 

8 comentários:

Anna Marian disse...

Eu gosto de acreditar que o amor e' eterno. Assim como nunca em qualquer momento irei parar de amar a minha familia, tambem sei que amarei sempre a minnha cara metade, o meu melhor amigo, o meu companheiro. Agora se a paixao/ aquela chama que toda a gente fala e' para sempre? Nao acredito nisso, julgo que ate' uma certa altura existe sim, mas depois o amor e' superior a isso. O amor envolve isso tudo. Somos companheiros para a vida. Acredito eu nisso. Mas e' so' a minha opiniao :) Beijinho x

CM disse...

Honestamente, o "é para sempre, soa-me a desespero por segurança...as pessoas precisam de sentir a segurança do "para sempre" e fazem e tudo para tê-la, ainda que tenham noção que não é assim.

o bo(l)bo da corte disse...

O que não deixa de ser ridículo, é modo como algumas pessoas fazem propaganda nas redes sociais, desses amores para sempre.
Anda por aqui uma que já vai no seu terceiro ou quarto amor para sempre. E o pior é que faz tanto alarde do início de um novo amor para sempre, como fez do motivo que levou ao fim do último amor para sempre. Ahahah

Estudante disse...

Anna Marian: percebo o que queres dizer :) mas ainda assim, acho que amores "para sempre" há poucos...

CM: talvez ;)

o bo(l)bo da corte: ahaha :P eu também acho ridículo... e penso que há coisas que se devem dizer pessoalmente e não no facebook.

Jovem $0nhador@ disse...

Eu acredito no amor para sempre...talvez por namorar há quase 7 anos e não me imaginar ao lado de mais ninguém! Mas também não sou dessas manifestações de amor públicas!

Agridoce disse...

Eu não acredito no para sempre... Serei mais triste por isso? Não sei...

Sei que também me faz confusão ver essas juras de amor eterno espalhadas pelas redes sociais. Sobretudo, vindo de pessoas que já tiveram outras relações, casamentos falhados, etc...

Paula disse...

Gostei muito deste texto, deveras muito interessante e "maduro"!

Sílvia Maria disse...

No momento achamos mesmo que o que sentimos é interminável, inabalável, é eterno.
Mas o 'para sempre' está tão banalizado como o 'amo-te'. As palavras já não têm o mesmo significado, a mesma importância. Se calhar já nem as pessoas o têm, sei lá.
Para sempre, até ao próximo...é mais ou menos assim.