quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

1º mês

Faz hoje um mês que cheguei à minha nova cidade e parece que já estou aqui há muito mais tempo!...

Ainda estou viva e bem nutrida (aspecto particularmente importante para Manhê e Avó). Ainda tenho saudades de casa e das minhas pessoas. Quando chego a casa depois de 17 horas no hospital (dias de urgência...), ainda me apetece um abraço e um boa noite

Vai-se ocupando a cabeça e o coração, porque as saudades só se vencem assim. Até o mais ínfimo pormenor é usado para colmatar o que vai fazendo falta. Mas, sem sombra de dúvida, esta cidade tem-me oferecido coisas muito bonitas e eu sei que um dia destes, quando as saudades de casa começarem a ser mais pequeninas, eu vou conseguir ver melhor tudo o que há de bom por aqui. 

Ver o mar quando saio de casa, correr à beira-mar, cheirar o pãozinho quente em quase todas as ruas são algumas das coisas com que procuro minimizar este sentimento de não ter aqui as minhas pessoas mais queridas. Dar migalhinhas às gaivotas que pousam no parapeito da sala de reuniões ou ficar a ver os pequenitos a brincar no jardim também são estratégias para enganar a saudade... mas ela é uma espertalhona.

Continuo a fazer bolachas ao fim-de-semana e a coser as meias. Há coisas que não mudam.



Inté*

16 comentários:

Ju. disse...

Que esta vida nova te abra muitas portas e te faça muito feliz, apesar das saudades!
Beijinho*

Linda Blue disse...

Crescer dói sempre. Mas também se ganha sempre.
Vai a casa sempre que possas :)
Beijinhos, querida.

mysupersweettwenty disse...

Tudo tem o seu lado bom, aproveita :)) E boa sorte!

Shinobu disse...

As saudades são tornando-se mais pequeninas e vais ganhando o gosto de estar ai... Mas o colo dos teus mais queridos, vai sempre ser aquele "colinho". :)

Observador disse...

São as dores de crescimento, 'dótoura'.
Beijinho

Estudante disse...

Ju: muito obrigada :D

Linda Blue: :)

mysupersweettwenty: ;)

Shinobu: pois é... :)

Observador: são mesmo :P

Gaja Maria disse...

Como diz a Mariza (a fadista em "o melhor de mim") é preciso perder para depois se ganhar. Beijinho

K disse...

Ai! Força, muita força!
Não quero imaginar, quando isso me acontecer a mim. Quando fui para a faculdade, foi um descalabro total e vinha a casa todos os fins-de-semana. Não quero crescer.
Mas fico contente, por estares tu a crescer e sei que essas coisas vão ajudar-te imenso a aguentar tudo (parece maravilhoso).

Um beijinho!

Sou uma antiga leitora, que já está longe disto há muito, muito, muito tempo, mas seguia-te assiduamente, por isso é que falo como se estivesses habituada a ler-me, aqui, com regularidade. :'D

Mam'Zelle Moustache disse...

Força, miúda! Aproveita para descobrir essa nova cidade e torná-la tua. :)

Di disse...

Bolachas de fim-de-semana sabem sempre bem :)

Estudante disse...

Gaja Maria: obrigada :)

Mam'Zelle Moustache: é isso :D

Di: siiiim :d

Estudante disse...

K: Obrigada pelo teu comentário tão simpático :D vai correr tudo bem, vais ver :) fico contente que te mantenhas fiel ao Estudante :P beijinhos!

Nádia disse...

Eu temo o dia em que tenha que estar nessa situação não pelas saudades das pessoas -não tenho pessoas que possa considerar minhas- mas sim dos hábitos e do espaço onde cresci. Tu, apesar de tudo, pareces estar a lidar bem com a nova vida! Beijinhos!

Estudante disse...

Nádia: que engraçado :) aquilo que me deixa saudades, são as pessoas... o espaço tem sido indiferente.

Paula disse...

"As tuas pessoas" também estão a sentir a tua falta, por certo...

Estudante disse...

Paula: :)...