quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Assentar ideias...

Foi ontem noticiado no Público que, na sequência da não colocação de 114 médicos na especialidade, a Associação Nacional de Estudantes de Medicina pede uma diminuição do número de vagas nas faculdades de Medicina. Li esta notícia no Facebook e, mais uma vez, testemunhei como a estupidez e ignorância da opinião pública não tem limites. Impressiona-me cada vez mais, que as pessoas façam comentários sobre matérias que desconhecem completamente, não se coibindo de forma alguma de falarem sobre aquilo que não sabem. 

Vejamos, antes de mais, que todas as notícias que se prendam com médicos ou estudantes de Medicina, trazem imediatamente à tona a velha história de que os médicos são uma classe de elite que não faz nada e ganha muito. É ver como o ódio e a revolta discorrem nos comentários. Ridículo. Vão, por favor, verificar o ordenado de um médico antes de abrirem a boca. 

Em segundo lugar, as pessoas regozijam-se com o desemprego dos médicos. É triste mas é verdade. "Os professores e os engenheiros também estão no desemprego! Porque é que os médicos também não podem estar?". Bravo. Acho que é este tipo de atitude que precisamos: lutar pela igualdade nunca é demais! Mas se calhar, poderíamos lutar por outro tipo de igualdade, por exemplo: todos nós temos direito a um emprego. Lutar pelo desemprego não vale a pena, ele vem sozinho, poupemos as nossas energias nesse sentido. Ainda relativamente a este ponto, é importante frisar que a não entrada na especialidade NÃO É a mesma coisa que desemprego. A não entrada na especialidade médica é não permitir a um médico que termine a sua formação e, até hoje, a formação numa especialidade era obrigatória para um médico poder exercer a sua profissão. A formação em Medicina compraz o tempo de faculdade, um ano de prática clínica, que é o chamado Ano Comum, e mais 4 a 7 anos de especialidade. Por isso, quando um médico é impedido de aceder à especialidade, não o estamos a condenar ao desemprego; estamos a condená-lo a uma formação incompleta que o impede de exercer; é deixar o filme a meio. Entendidos?

Em terceiro lugar, a maioria das pessoas revolta-se com o facto de serem pedidas menos vagas para a entrada na Faculdade de Medicina porque temos falta de médicos e quererem limitar o número de vagas tem como único propósito garantir altos salários (outra vez) e consultórios cheios. Mais uma vez, comentários sem qualquer conhecimento de causa. O facto de termos um número de alunos superior à capacidade formativa em meio hospitalar, faz com que a qualidade de formação não seja garantida - teríamos portanto, bastantes médicos, mas médicos menos capacitados. Servem esses? E que tal termos médicos indiferenciados (médicos sem especialidade)? Há 50 anos que em Portugal é obrigatório tirar a especialidade e agora vai deixar de o ser. Brilhante, não acham? Mais um esforço e, qualquer dia, voltamos à Idade Média.

Portanto, minha gente, é assim: a opinião pública não fundamentada, que não discerne os tons cinzentos dos assuntos, que apenas se baseia em títulos de notícias e em comentários bairristas é o que atrasa este país. Incentivar, como eu vi fazerem ontem, à contratação de médicos estrangeiros, ao aumento do número de vagas nas faculdades, ao desemprego médico é tudo o que um Governo pode desejar. Assim se tomam medidas populistas que agradam ao povinho, burro e desconhecedor; medidas estas que, paradoxalmente prejudicam esse mesmo povinho. Mas ele parece agradecer ser chicoteado.

Não compreendo, sinceramente. Quando não tiverem certeza do que estão a dizer, perguntem! Abram essas mentes e procurem informar-se!



Inté* 

12 comentários:

Ju. disse...

Palminhas para este texto, que subscrevo na íntegra!
Beijinho*

esperto que nem um alho disse...

O problema desses comentários é que eles parecem refletir com um grau bastante elevado de certeza, a estupidez deste povinho e é nessa "opinião pública" que a estatísticas dos políticos se baseiam.
Eu tive um professor que tentava motivar os alunos adultos que se achavam com menos aptidões por serem demasiado velhos para estudar, com a teoria de que a maioria de humanidade é medianamente inteligente e depois há meia dúzia de génios e outros tantos estúpidos. Sinceramente qe começo a duvidar desta teoria. Cada vez estou mais convencido que a humanidade é maioritariamente estúpida e depois há uns quantos que, com esforço, conseguem "lá chegar" e os génios são uma espécie em vias de extinção. ehehehe
Tu não precisas, mas vou-te dar na mesma um conselho: não leias os comentários dos jornais online. Dali não se retira nada que tenha utilidade e evitas irritações desnecessárias. Ou então cria um perfil de hater só para mandares aquela gente "bardashit". eheheh
É que aquilo é tão mau, que se uma pessoa for a ligar, fica agastado para o resto do dia e estamos em época natalícia, precisamos é de muito amor e pás (para enterrar esses tipos eheheh).

Jedi Master Atomic disse...

Comentar sem saber do assunto é um "dom" deste povo. Há que filtrar um bocado isso no nosso cérebro e ter pena por essas pessoas.
No entanto, eu percebo a revolta de muitas pessoas contra os médicos depois de ler notícias como esta: http://www.dn.pt/sociedade/interior/morreu-no-hospital-por-nao-haver-equipa-especialista-ao-fim-de-semana-4948772.html

Maria do Mundo disse...

Feliz Natal Longe de confusões.

Observador disse...

Um Natal feliz, de preferência sem clínicos por perto.

Estudante disse...

Ju: :)

espero que nem um alho: tens razão... eu, grande parte das vezes, evito ler os comentários, para não me enervar :P mas ontem não resisti! Eu nem sei se é a maioria da Humanidade que é estúpida ou se a Humanidade é governada por estúpidos :P fico com a noção de que, muitas vezes, são os mais estúpidos que chegam ao poder...

Jedi Master Atomic: eu vi a notícia e de facto, são coisas que não deviam acontecer num país da Europa em pleno séc. XXI. Mas ainda assim, o problema que está na origem dessa triste notícia, é um problema de carácter administrativo. O hospital simplesmente, optou por não ter equipa médica de neurocirurgia durante o fim de semana... talvez para poupar uns trocos, não sei. Não percebo porquê a revolta contra os médicos...

Maria do Mundo: para ti também :) Um Feliz Natal :D

Observador: sem dúvida! Obrigada e um Feliz Natal também para ti! :)

redonda disse...

Pareceu-me muito certo o que escreveste, e acontece não apenas para os médicos para as outras profissões, vêem-se muitas criticas por desconhecimento e tento não o fazer.
Feliz Natal com tudo de bom.
um beijinho
Gábi

Estudante disse...

redonda: sim, sem dúvida. No geral, as pessoas têm sempre algo a dizer :P Obrigada! Feliz Natal :)

Portuguesinha disse...

Sobre os comentários que primeiro referes, são daqueles que estão sempre nessa linha de pensamento, venha que notícia vier. Se for política é: "corruptos! Deviam ganhar o salário mínimo, não fazem nada, andam a roubar o povo!". Se for um desgraçado qualquer que morreu num acidente evitável é: "Bem feito!".E é muito comum, mesmo de pessoas pouco evoluidas, cada vez que uma notícia é sobre o desemprego numa categoria, virem com "n" exemplos de outras categorias onde também a taxa de desemprego é elevada e "porque é que não falam desses". Lol. Não argumentam. Nem percebem o que está em causa e qual a causa que deviam abraçar. Escapa-lhes a solidariedade e a nobreza de carácter que, numa pessoa de mais idade e sem instrução, por vezes não escapa. Esta talvez disesse: "mas o pedreiro precisa de pedras para trabalhar", "se não há farinha o padeiro não faz pão", "coitado do agricultor, tiraram-lhe as terras onde lavrava. Está mal. Onde vai o homem tirar o sustento?".

Enfim... Desculpa o longo texto, estou cansada.
Sempre achei que a profissão de médico em Portugal era muito prestigiada. Estou sempre a escutar que temos uma excelente escola de médicos e que é por isso que os nossos são tão procurados lá fora. Que aprende-se mais aqui e melhor.

Cada vez que mexem em algo que está a dar certo, pode realmente ser uma catástrofe. Não sabia que isso da especialidade ia mudar.

Inês F. disse...

Eu acho que passa pouca informação fidedigna cá para fora. E é problemático quando quem está por dentro não quer ilucidar a malta. Falo por mi., eu gosto de saber as coisas e faço uso do que encontro online em fontes fidedignas (tipo fontes oficiais vá). Uma das discussões que tive foi acerca do salário. Porque havia alguém a dizer que estava a estudar medicina para ir receber menos que o salário médio. E fora esse comentário, só sabia comentar 'sao todos estupidos'. Ora, as tabelas falam de valores para o ano comum de cerca de 1500€. Isso limpo é superior ao salário médio nacional. Agora, se as tabelas são cumpridas ou não é outra história, por exemplo.

Em relação à história do David, o que se via muito era médicos queixarem-se que horas extra são mal pagas. E o povo chateia-se porque quase ninguém recebe horas extra. Mais tarde veio-se a perceber que o serviço estava suspenso há já 2 anos. E que por outro lado haviam hospitais com a equipa e não se percebe porque raio não o transferiram para lá.

Ou seja, o que passa cá para fora, é que os médicos só querem ganhar dinheiro. O que pode nem ser verdade para a maioria dos casos. It's sad.

Quando aos salários, há uma vantagem na carreira dos médicos. É que podem trabalhar no privado e no público. O meu médico de família, por exemplo, da consultas no centro de saúde, e faz medicina do trabalho para algumas fábricas (para onde vai 1X por semana a cada uma).
A minha ginecologista dava consultas na minha universidade e depois tinha um consultório noutro lado. Etc

Já me falaram também que o problema em relação às especialidades é não existirem médicos formadores suficientes, Confirma-se? Eu pensava que aqui fosse um bocado onda Anatomia de Grey e hospitais universitários. Tens o ano comum (interns) onde saltas especialidades e depois escolhes uma e ficas com aquela 'pessoa' naquela área.

Inês F. disse...

Eu acho que passa pouca informação fidedigna cá para fora. E é problemático quando quem está por dentro não quer ilucidar a malta. Falo por mi., eu gosto de saber as coisas e faço uso do que encontro online em fontes fidedignas (tipo fontes oficiais vá). Uma das discussões que tive foi acerca do salário. Porque havia alguém a dizer que estava a estudar medicina para ir receber menos que o salário médio. E fora esse comentário, só sabia comentar 'sao todos estupidos'. Ora, as tabelas falam de valores para o ano comum de cerca de 1500€. Isso limpo é superior ao salário médio nacional. Agora, se as tabelas são cumpridas ou não é outra história, por exemplo.

Em relação à história do David, o que se via muito era médicos queixarem-se que horas extra são mal pagas. E o povo chateia-se porque quase ninguém recebe horas extra. Mais tarde veio-se a perceber que o serviço estava suspenso há já 2 anos. E que por outro lado haviam hospitais com a equipa e não se percebe porque raio não o transferiram para lá.

Ou seja, o que passa cá para fora, é que os médicos só querem ganhar dinheiro. O que pode nem ser verdade para a maioria dos casos. It's sad.

Quando aos salários, há uma vantagem na carreira dos médicos. É que podem trabalhar no privado e no público. O meu médico de família, por exemplo, da consultas no centro de saúde, e faz medicina do trabalho para algumas fábricas (para onde vai 1X por semana a cada uma).
A minha ginecologista dava consultas na minha universidade e depois tinha um consultório noutro lado. Etc

Já me falaram também que o problema em relação às especialidades é não existirem médicos formadores suficientes, Confirma-se? Eu pensava que aqui fosse um bocado onda Anatomia de Grey e hospitais universitários. Tens o ano comum (interns) onde saltas especialidades e depois escolhes uma e ficas com aquela 'pessoa' naquela área.

Estudante disse...

Portuguesinha: não tens de pedir desculpa pelo tamanho do texto :) eu acho que estás muito certa! E adorei ler o que escreveste :) eu acho que, pelo menos até agora, Portugal formava muito bons médicos... mas parece que se estão a querer tomar medidas que vão prejudicar essa formação. A ver vamos! Um Feliz Natal para ti :)

Inês F.: não sei por que motivo quem está por dentro das coisas não quer elucidar os outros... só se também não souber exactamente onde está metido. Aliás, o valor dos salários médicos está em Diário da República, é só uma questão de procurar. Por isso, não acho que passe pouca informação fidedigna cá para fora; acho é que as pessoas não a procuram onde devem...

Relativamente à história das horas extras e de os médicos serem uns grandes sacanas que o que querem é ganhar dinheiro, é algo que tem servido de desculpa para tudo, ultimamente. Alguém tinha de ser o bode expiatório. Então, quando o hospital não paga aos trabalhadores para estarem presentes em determinado dia, a culpa é de quem não vai trabalhar. Parece-me que faz todo o sentido.

A escolha da especialidade não funciona assim :P antes do Ano Comum fazes um exame e é com essa nota que concorres à especialidade. No final do Ano Comum é aberto o concurso de acesso à especialidade e os candidatos escolhem uma vaga, basicamente é isto :) tanto podes ir parar ao Minho como ao Algarve. A especialidade não é obrigatoriamente feita no hospital onde foi feito o internato do Ano Comum e, na maioria das vezes, isso não acontece.

Feliz Natal para ti :)