domingo, 11 de setembro de 2016

Muros

Um ano antes de eu nascer, foi derrubado o muro de Berlim.

Vinte e seis anos depois, parece que há uma certa melancolia, uma saudade de ver aqui o casebre mais compartimentado. Sabem que isto de não ter muros é chato por causa das correntes de ar. Então, parece que os muros voltam a estar na moda - a França e o Reino Unido preparam-se para a construção de um muro em Calais e o Donald Trump acha boa ideia fazer outro na fronteira com o México. Qual deles será o mais bonito?...

E falando em muros, quer-me parecer que esta malta anda toda é a bater com a cabeça nas paredes lá de casa. Mas, ainda assim, quanto ao muro na fronteira dos E.U.A. digo-vos que sou de opinião que os mexicanos deveriam concordar com a sua construção. Alto e largo, intransponível, de maneira a evitar visitas do Donald e as suas ideias... ou falta delas. 


Cá nada de misturas. 'Tão mas o que é isto?


Inté*

16 comentários:

Esmy disse...

A história repete-se, mas parece que ninguém aprende com ela. Cada vez aprecio menos este mundo de loucos...

A Nossa Travessa disse...

Estudantamiga

Estive no Muro de Berlim; estive também no paralelo 38 entre as duas Coreias; anda estive no arame farpado de Chipre E mo portão gradeado entre a Índia e o Paquistão; e..

...e não quero estar em mais nenhum muro!

Qjs do Leãozão que continua em baixo
______
Muito gostarei de ver-te lá na NOSSA TRAVESSA. E comentando. E seguindo-me. Penso que não é pedir muito... E não precisas de trazer o estetoscópio, nem o aparelho de medir a tensão e muito menos a seringa, para não falar no termómetro... Juro-te que vais ser bem vinda insolentíssima senhora doutora... :-))))

Monica Almeida disse...

Passo por aqui para te desejar uma excelente semana,tudo de bom para ti,fica bem!!

Pedro Coimbra disse...

Escrevi na passada semana acerca do tema.
Boa semana

Sofia disse...

Acho que o mundo está a regredir e isso assusta-me!
Mas o muro para os mexicanos não terem de aturar o Trump, as suas ideias e os seus defensores, parece-me óptimo. Devia ser um muro global, aliás.

Lápis Roído disse...

Respondendo directamente à tua questão, o muro que ficava mais bonito seria aquele que exibisse a cabeça guilhotinada dos autores da ideia da sua construção. Já que estamos numa de retroceder civilizacionalmente, porque não recuar aos tempos de Marie Antoniette?
Mal vai o mundo quando se pensa em resolver os problemas da migração a jusante e nunca a montante do que vai acontecendo. Ajudar na construção de soluções nos países de origem dos migrantes? Não, não! Deixem-nos vir que nós cá construímos os muros. É o que temos

Sofia disse...

Oh, Lápis Roído (sou a K, para não estranhares a "confiança"), é claro que não se mexem para acabar com o conflito. O que interessa aos políticos? Dinheiro! O que dá dinheiro? Vender armamento!
Para nós, comuns cidadãos, é uma tortura viver com este medo de que um dia sejamos apanhados num atentado, mas os políticos acham-se bem protegidos e querem é encher os bolsos. E esses são os americanos (que vivem desta política internamente, também), os russos, os franceses... Enfim!
Se estiver a dizer asneira, corrige-me, por favor. Mas é mesmo disto que me parece tratar-se. Eles lá querem saber do povo... O que interessa é a vidinha deles.

S* disse...

Infelizmente, em alguns casos, parecem ser mesmo precisas barreiras... não nos EUA!

Gaja Maria disse...

Eu de muros não gosto nada. Gosto sempre de saber o que está do outro lado :)

Tétisq disse...

o pior destes muros é a ideologia em que assentam.

estrela disse...

é pena não aprendermos e evoluirmos como seres humanos!
parece que estamos a voltar ao tempo das cavernas!

Boop disse...

Muros são uma m****!
Desses...

Depois há outros que são indispensáveis! - mas que se mantenham umas portas com dobradiças bem oleadas para que, quando necessário, nunca seja difícil passar o muro.

(não passava por aqui há anos! :) )

Andreia Morais disse...

Parece que quanto mais o tempo avança, mas a mentalidade de algumas pessoas regride!

Zé do Pipo disse...

Às vezes há coisas aparentemente sem importância, que nos trazem de volta à realidade.
Ainda não tinhas nascido quando o muro de Berlim caiu...
A mim parece que foi ontem, a ti parece que foi há uma vida.
Por isso o tempo parece passar mais depressa, conforme vamos ficando velhos...

Lápis Roído disse...

Sofia! Sofia! És tu? Já me tinha perguntado o que raio era feito de ti, que desapareceste sem deixar rasto :P Inclusivamente, enviei um e-mail para um endereço que me pareceu ser o teu. Enganei-me, pois claro. Espero que estejas bem e espero igualmente que continues a aparecer pelo meu blog ;) Beijinhos

Paula disse...

Concordo plenamente.