terça-feira, 6 de agosto de 2013

Avecs porr toude o lade

Agosto é, inevitavelmente, o mês dos avecs. Este estatuto, ganho por volta dos anos '70 não parece correr o risco de extinção e, dado o nosso panorama económico, está de óptima saúde e recomenda-se.

Aqui na região, família que se preze, tem pelo menos um avec ou dois. Eu tenho mais. Alguns já regressaram e já se fixaram definitivamente na sua cidade de origem, outros ainda vão e vêm todos os anos agora por esta altura. Daí que, todas as minhas alusões aos emigrantes portugueses não sejam mais do que uma caricatura (que às vezes subestima o comportamento de alguns, verdade seja dita...) daqueles que para mim sempre fizeram parte dos meus Verões.

Talvez agora o contraste entre aqueles que aqui estão permanentemente e os portugueses intermitentes seja menor. Mas quando Manhê era pequena, e sobretudo nesta região do Interior, avecs pareciam vindos de uma outra galáxia, com os seus grandes carros, elas muito bem vestidas e maquilhadas, conhecedoras de coisas que aqui nem se ouviam falar... enfim, um fenómeno. Traziam brinquedos e chocolates que faziam a alegria dos mais pequenos e a inexistência de meios de comunicação como aqueles que conhecemos hoje em dia, fazia da chegada dos "tios de França" o acontecimento do ano.

Agora, embora a internet vá mitigando mais a saudade, continua a ser bom tê-los de volta, sobretudo aqueles que nos visitam apenas uma vez por ano. E o principal impacto da chegada dos avecs já não é aquele que era... agora nota-se mais que estamos em Agosto porque esgotam os produtos dos Supermercados.

Txiii... que exagero Estudante! Pronto, está bem. É mais no Intermarché.



Inté*

14 comentários:

Paula disse...

Ainda há alguns exemplares deveras interessantes ...

Sufocada disse...

Eu não tenho familiares avecs, diretos, mas eles andem aí. Tenho é nuestros hermanos, mas são tantas as vezes que lá vou como as que eles cá estão :)

Táquetinho disse...

Ao menos trouxessem comida de França. Eheheh

Opinante disse...

Lembro-me de uns vizinhos que chegavam cheios de "cachuchos" nos dedos!

Estudante disse...

Paula: há sim :P

Sufocada: isso é bom :) assim não ficam tanto tempo uns sem os outros!

Táquetinho: ahaha :D

Opinante: :P elá!

Tétisq disse...

Já não há tantas diferenças entre os que partem e os que ficam...o incompreensivel sotaque com vocabulos franceses em pessoas que viveram em Portugal até aos 20, 30 anos e que por lá vivem em comunidades de portugueses é que não muda !

Never Told Words disse...

é sim senhora!! lá na minha rua são mais que as mães e obrigam-me a estacionar o carro três ruas abaixo lolol

Estudante disse...

Tétisq: ahaha :P isso é verdade!

Never Told Words: :D caramba! Estás com azar...

SuperSónica disse...

Avecs e camones!
Giro, giro foi portugueses dirigirem-se a mim e ao meu gajo em inglês devemos ter cara disso!!!!!!

Estudante disse...

SuperSónica: também já me aconteceu :P

agatxigibaba disse...

Eu chamo-lhes "ça vas" e apesar de não ter nenhum na família, sempre os achei uma espécie fascinante, ahah. Vai lá ver a Gaiola :)

Estudante disse...

agatxigibaba: "ça vas" também é muito bom x)

ateaoscem.com disse...

Sou um infeliz, nunca tive AVECS na familia

XL

Estudante disse...

XL: deixa lá... não podemos ter tudo ;)