terça-feira, 13 de agosto de 2013

"Noite"

Foi na semana passada que li o meu primeiro livro desde que estou de férias. Shame on me. O meu ritmo de leitura já não é o que era; férias eram sempre sinónimo de longas horas de leitura mas, infelizmente, neste Verão as leituras têm sido outras e não tenho conseguido ler os livros que queria...

O livro que li chama-se "Noite" de Elie Wiesel e é a história de um sobrevivente Judeu durante a Segunda Guerra Mundial. O testemunho é impressionante, como todos os relatos do género são... e muito pesado também. Não foi o primeiro livro que li acerca desta temática e, ainda assim, acho que continua a haver algo em mim que não consegue acreditar na atrocidade deste capítulo da nossa história. Não que eu não saiba da veracidade dos factos, mas parece-me que há coisas que apenas quando vividas podem ser tidas como reais e, por esse prisma, espero manter-me sempre um pouco descrente. O que me parece completamente ridículo, são os indivíduos que querem a todo o custo negar o extermínio ocorrido durante a II WW por duas razões:

- a primeira, prende-se com o facto de que, negando um acontecimento, eliminamos a única coisa boa que ainda se poderia sorver a partir dele, que é a capacidade de aprendermos com os nossos erros;

- a segunda, tem a ver com os sobreviventes. Pessoas que perderam tudo, que sofreram aquilo que eu espero nunca saber quantificar, têm direito pelo menos, a que não lhe neguem as memórias, por muito más que estas possam ser. Têm direito à sua credibilidade e a saber o porquê de terem ficado sozinhos.





Inté*

16 comentários:

araparigasimples disse...

Este será sempre um tema difícil... assim como será sempre difícil perceber o que leva alguém a querer o extermínio de um povo , em detrimento de uma raça apelidada de superior.
Na minha opinião tinha muito pouco de superior.
beijinho

anokas disse...

Eu também ia ler muito nestas férias, pfff. Até agora só li dois livros e comecei hoje com o terceiro, uma tristeza!

Às vezes também me custa a acreditar nos eventos da II guerra mundial, mas é um facto por todos conhecido, exceto aqueles parvos que continuam a achar que estes horrores não aconteceram, enfim, serve de lição.

somaijum disse...

Ui... nem digo nada acerca das leituras. xD

As histórias sobre/passadas no Holocausto, deixam-me doente.
Mesmo agora li um desafio da Mel, que afirma não se cansar de ver "O rapaz do pijama às riscas".
Vi uma vez e chegou. Tal como O Pianista, A Lista de Shindler... deixam-me com um sentimento de revolta que prefiro evitar. Não é a negação da realidade. É mais o peso daquela realidade. :(

Estudante disse...

araparigasimples: sim... não podemos dizer que fosse uma iniciativa muito "superior". O que mais estranho foi como é que o Hitler conseguiu o apoio de tanta gente para uma coisa que não fazia sentido nenhum...

anokas: estás melhor do que eu :P não percebo como é que se pode negar o Holocausto, mas enfim.

somaijum: "O rapaz do pijama às riscas" é muito triste :\ vi uma vez e já chega... "O Pianista" é um filme muito bom mas o livro consegue ser ainda melhor ;)

Mamã de Peep-Toe disse...

É uma parte da História que muito boa gente,gostaria de esquecer....

Inês de Sousa disse...

Não conheço o livro mas parece interessante. É uma parte da história que sempre me suscitou interesse e devoro vários filmes, documentários e livros sobre o assunto. No fim fico sempre com aquela mágoa de "como é possível ter acontecido?" Quanto aos que negam factos... lá têm os seus interesses e os seus ideias. Muitos talvez só queiram esquecer.

Lani disse...

Nunca li nenhum livro sobre isso, não faz o meu género. Só vi filmes sobre isso.
É mesmo uma parte da história horrível :/ *

Márcia V. disse...

Esse tema é um dos quais não gosto de ler nem de ver filmes inspirados nisso mesmo por saber que já aconteceu e que pessoas não tinham problema algum em causar o sofrimento a outras,e por razões com as quais discordo completamente.

R. Vieira disse...

Olá!! Gosto muito e livros com histórias assim! fiquei curiosa!

Abraço pra ti!

Estudante disse...

Mamã de Peep-Toe: acredito que sim...

Inês de Sousa: eu acredito que os que passaram por aquilo não se importariam de nunca mais se lembrar de tal coisa, o pior é quando esse "esquecimento" é incentivado por outros motivos...

Lani: é mesmo :\

Márcia V.: compreendo perfeitamente! ;)

R. Vieira: :)

ateaoscem.com disse...

Ontem acabei de ler " Uma morte Subita"

XL

Estudante disse...

XL: gostaste? :)

ateaoscem.com disse...

Muito, as primeiras 100 paginas são um pouco confusas e só consegui perceber quem era quem lá para as 200 paginas. Depois há uma altura em que toda a acção se desenrola muito rapidamente e no final acontece tudo numa prespectiva de anti-herois, ou seja, não há propriamente uma justiça divina aplicada como parece que vai acontecer.

Epa... acho que vou aproveitar isto para um post :)

XL

Estudante disse...

XL: parece muito interessante! Por acaso ainda não li nada da autora... :P mas já ouvi falar muito desse livro ;)

Aproveita, aproveita! :D

ateaoscem.com disse...

Não leste os Harry Potters?

XL

Estudante disse...

XL: não... não sei porquê mas nunca me despertou interesse a saga do Harry Potter :P acho as histórias muito fantasiosas.. um dia, quem sabe ;)