quinta-feira, 8 de agosto de 2013

Ilustrações

Há em nós uma sucessão de eventos que nos torna cada vez menos dependentes de imagens e cada vez mais dependentes de palavras. À medida que crescemos, deixamos de nos prender às ilustrações dos livros, às cores coloridas, aos desenho animados, para nos tornarmos mais livres, mais capazes de ver sem ter visto, mais capazes de imaginar aquilo que não vemos.

Não sei se a ciência explica este processo evolutivo que nos vai moldando em torno de um sentido que não vê e não se vê, que nos permite observar aquilo que na verdade não pode ser visto. Nem sei se isso terá um nome, sequer... 

Interessante seria evoluirmos com as pessoas da mesma forma que evoluímos com os livros; deixarmos que o conteúdo nos conquiste mais do que a capa, que aquilo que é escrito seja mais importante do que aquilo que vemos. Porque, no final de contas, os grandes livros nem sequer têm ilustrações...

Talvez esse outro sentido, essa "visão" que na realidade vê mais do que aquilo que se olha, implique uma maturidade maior, mais difícil de conquistar do que aquela que vem depois dos livros infantis.



Inté*

10 comentários:

Inês de Sousa disse...

Ainda há quem compre o livro pela capa. Ver mais além implica acima de tudo experiência de vida, penso eu. Quem comprar um livro de conteúdo terrível pela capa pode sempre aprender a comprar pelo interior :)

Rekinh@ disse...

Para muitas pessoas o que conta ainda continua a ser a embalagem e não o conteúdo da embalagem, talvez porque a embalagem dessas pessoas é bem mais atrativa que o interior delas!!!!
Quem não tem conteúdo não tem nada embalagem vazia vale zero!

Vera, a Loira disse...

Pois é, uma capa bonita com um título agradável dá para colocar um livro no top de vendas, infelizmente...

SuperSónica disse...

Nunca tinha pensado nesse ponto de vista, mas tens razão. Grandes livros não são ilustrados...

Estudante disse...

Inês de Sousa: pode sempre aprender, bem pensado! :)

Rekinh@: é tudo tão subjectivo, não é? Aquilo que pode não ser nada de valor para nós pode ser de valor para os outros... vá se lá entender :P

Vera, a Loira: é verdade...

SuperSónica; ;)

Rekinh@ disse...

Para mim claro que a embalagem exterior também conta mas o interior dela conta muito mais . É o que eu digo cada um valoriza o que tem, ou seja quem tem conteúdo valoriza gente com conteúdo quem não tem valoriza o exterior.

Táquetinho disse...

Penso que, na maioria das vezes, é o que acontece, embora ainda haja quem se iluda com a "embalagem". :P

Estudante disse...

Rekinh@: claro ;) concordo!

Táquetinho: és um optimista :D

Jovem $0nhador@ disse...

Concordo contigo =)

Estudante disse...

Jovem $0nhador@: ;)