domingo, 15 de novembro de 2015

Fico triste...

...com os comentários que defendem a erradicação das religiões, a vingança e a xenofobia como soluções para o terrorismo.

Fico mais triste com a quantidade de pessoas que nas redes sociais apoiam e aplaudem essas ideias. Mas quero acreditar que o número muitas vezes superior de likes e de indivíduos que se manifestam a favor desta cultura de rancor, se deve simplesmente ao facto de as pessoas boas estarem lá fora, ocupadas a fazer coisas mais importantes do que a mandar uns bitaites no facebook...





Inté*

16 comentários:

Miss Memories disse...

Nem mais... Vamos mesmo acreditar que sim, que ons bons estão lá fora a fazer algo produtivo... Ai, mundo, mundo...

Jessy Silva disse...

Este mundo está uma confusão :o

Paula disse...

Na semana passada, perante um estudo feito na Dinamarca, recomendava-se às pessoas que abandonassem as redes sociais para poderem ser felizes... Começo a pensar que é mesmo o que devemos fazer!... E eu nem tenho página no famigerado facebook, que até podia ser uma coisa gira, mas já começa a enjoar até os que têm...

Estudante disse...

Miss Memories: :)

Jessy Silva: eu acho que ele sempre foi uma confusão :P

Paula: se calhar é mesmo uma boa ideia! ;)

Observador disse...

Não é, sequer, possível erradicar as religiões. Quem defende isso não sabe o que está a dizer e/ou não percebe nada da vida humana.
As redes sociais servem para tudo, até para dizer disparates.
A xenofobia é uma solução contra o terrorismo? Pelo contrário, é a xenofobia uma das causas dele, do terrorismo.
A vingança não resulta.
A luta contra o terrorismo tem que ser feita de forma planeada e envolvendo muita gente e muita coisa.
Convém não esquecer que o terrorismo é financiado sob várias formas.

esperto que nem um alho disse...

Como se isso fosse possível...
Essas pessoas são tão idiotas, que nem percebem que tais posições são tão radicais quanto os ideais dos terroristas. A extrema direita não aprendeu com a experiência que os fogos não se apagam com gasolina e um dia vão incendiar o mundo, outra vez. :/

Estudante disse...

Observador: as redes sociais vieram permitir a expressão de tudo e todos, por mais rídiculo que seja aquilo que é dito... o pior, é que há quem acredite em tudo o que lê por aí!

esperto que nem um alho: é mesmo isso! :\

Gata disse...

A religião serve de pretexto para muita coisa má, e isso passa-se em praticamente todas as religiões - ora oprimir a mulher (de uma forma ou de outra, em quase todas), ora até matar em nome de Deus, mas é preciso ter calma e hostilizar só agrava o problema ainda mais!
Bjs

agatxigibaba disse...

É como digo, rezar e seguir uma religião são direitos. Só achei a hashtag contraditória tendo em conta a origem religiosa dos acontecimentos. De resto, volto a dizer que é um direito nosso ter ou não, rezar ou não. Choca-me esta falta de respeito, mas estou contigo: as pessoas interessantes não estão sentadas em casa a mandar bitaites nas redes, não vale a pena perder a fé na humanidade.

Estudante disse...

Gata: tens razão ;)

agatxigibaba: pois, eu percebo o que queres dizer com a contradição da hashtag ;) claro que não! Ainda há muitas pessoas boas :)

Gelatina de morango disse...

Completamente. As generalizações são sempre perigosas. Ainda para mais agora descobriram que um dos responsáveis pelo atentado (em Paris) é luso-descendente. Enfim, há mesmo de tudo, em todas as religiões, países e culturas. Infelizmente.

Estudante disse...

Gelatina de morango: sim, se mantivermos este raciocínio, qualquer dia também impediriam a entrada dos portugueses :P

Fã da TV e Cine disse...

Na internet é mais fácil as pessoas tecerem comentários radicais.
Cá eu prefiro acreditar que, fosse uma família de refugiados parar no bairro de muita gente, todos se juntavam para ajudar!

Comovidos com as crianças, comovidos com a situação, acreditando vendo que aquelas pessoas não representam perigo.

Estudante disse...

Fã da TV e Cine: sim, sem dúvida! Eu também sou dessa opinião ;)

Maria do Mundo disse...

Eu penso que as pessoas estão numa fase de sentimentos extremos provocados pela insegurança que vivemos. Nem sempre é fácil entender que nem tudo o que é diferente de nós constitui uma ameaça.

Estudante disse...

Maria do Mundo: sim, tens razão... mas temos de nos manter racionais, caso contrário, as coisas vão correr muito mal :\