sexta-feira, 10 de maio de 2013

Psiquiatria... lá vamos nós!

Para a semana começo o estágio em Psiquiatria. Como o estudo de Locomotor ia relativamente adiantado, dediquei a leitura à bibliografia da próxima semana e, sinceramente, há algumas passagens que me arrancam ligeiras gargalhadas. 

É triste, eu sei; são doenças e as pessoas precisam de ajuda, mas é com cada síndrome! Custa-me a acreditar que haja pessoas assim... Por outro lado, já consegui excluir algumas doenças mentais relativamente à minha pessoa, o que me deixa mais descansada mas, on the other hand, como dizem os ingleses, existem algumas perguntas às quais eu repondo "sim" e supostamente deveria responder que "não"...


Atentem nestes excertos:

"O doente acredita que pensamentos que não são seus foram inseridos na sua mente (p.e.: acreditar que um vizinho está a praticar vodu e a plantar pensamentos sexuais alienígenas na sua mente)"

"Escutar duas ou mais vozes que conversam entre si, geralmente discutindo algo sobre o paciente."



Esta última parece-me particularmente tenebrosa. Seria como transportar na cabeça as coscuvilheiras aqui do sítio... que martírio!



Inté*

23 comentários:

Flow disse...

ahaha
Sim, há psicoses muito maradas :)

Miss Worm disse...

Bom com o dinheiro que eu tenho gasto nessa vertente só te posso dizer que é uma vertente com futuro :(, mas dessas coisas eu ainda não tenho fonix.

Ju disse...

A mente é tão estranha, penso tantas vezes nisso... como é que é possível uma pessoa chegar a esse estado? Acho que é das vertentes mais interessantes da medicina.

anokas disse...

Essa última que mencionaste é um bocado assustadora, mas uma que me faz confusão é a cena das múltiplas personalidades, existirem 2 ou mais pessoas dentro do mesmo corpo.

Isso existe mesmo? Que achas estudante?

anokas disse...

Este comentário é só para seguir a resposta, que no outro esqueci-me do pisco :P

Jovem $0nhador@ disse...

Deve ser um assunto complicado de estudar!

Estudante disse...

Flow: :P

Miss Worm: é de certeza! x)

Ju: é mesmo um mistério... e ainda sabemos tão pouco! ;)

anokas: acho que estás a falar da esquizofrenia, não é? Quando ler mais sobre disso esclareço-te melhor, pode ser? Não te quero induzir em erro ;)

Jovem $0nhador@: tem muitos critérios de diagnóstico... mas até é engraçado ;)

...Ju... disse...

Tem graça até ao dia em que ves mesmo os doentes a debaterem-se com situações dessas e te apercebes de como eles estão mesmo aflitos/assustados.

E o sindrome de Tourrette?! Eu achava um riso até ao dia em que vi um mesmo "de livro" sentado à minha frente. assustador!


Mas interessante é, sem duvida!

Jedi Master Atomic disse...

looooooool

Good luck :P

Never Told Words disse...

Cá para mim andaste foi a ver "The Inception" vezes a mais e agora olha.. aguenta-te :P

anokas disse...

ok Estudante, depois diz-me qualquer coisa, é uma dúvida que eu tenho ;)

Estudante disse...

...Ju...: acredito piamente! :P

Jedi Master Atomic: obrigada :D

Never Told Words: ahaha... nada disso ;)

anokas: claro! :)

Wendy disse...

Lol. Olha que diz-se por aí que os bons psiquiatras são uma mescla de patologias que tratam :P
Deve ser uma área extraordinária. Eu gostava de ser psiquiatra :)

Opinante disse...

Que corra tudo bem :D

ateaoscem.com disse...

Mas espera...não é verdade? Não há vozes na nossa cabeça?
Se calhar tenho de deixar de usar incenso com aroma a canabis aqui em casa :)

XL

SuperSónica disse...

Fogo realmente há gente mesmo doida. Aliás os psiquiatras também têm de ser um pouco loucos não?

Estudante disse...

Wendy: eu acho que é uma área interessante mas também muito difícil! :P

Opinante: obrigada :)

XL: ahaha :P se calhar não é má ideia!

SuperSónica: ahaha x) talvez... mas para a semana já te digo!

Ana D. disse...

Tenho uma amiga enfermeira que contava situações muito estranhas quando estagiou em pediatria. Custa até acreditar em certas coisas

Mas falando de coisas não tão graves como essas mas ainda assim complicadas posso falar de uma situação que já aconteceu comigo. Quem me segue sabe que tive uma depressão grave entre os 16 e os 18 anos mais ou menos e com direito a surto psicótico e tudo, porque eu quando tenho alguma coisa é logo a sério eheheh (agr brinco, mas na altura...)

E eu cheguei a ouvir mesmo vozes, várias vozes. Eu passei por uma situação complicada em que tinha sido eu a responsável e aquilo que eu ouvia eram várias pessoas a falar sobre mim, não ouvia os diálogos mas sabia que era sobre aquele assunto que falavam. Via muitos vultos também.

Do meu ponto de vista o problema da psiquiatria é que só se preocupa em medicar. Eu andava drogada mesmo.

Andei em 2 pedopsiquiatras particulares ao mesmo tempo que andava num psicólogo, e era esse que me ajudava e não os outros.

Quando fui chamada para a psquiatria do hospital público já tinha tido alta do psicólogo e por minha iniciativa estava a deixar de forma lenta a medicação, uma vez que tinha consciência que já estava um pouco dependente.

Com medo da reação do senhor disse-lhe que estava ainda com a medicação certa mas que já me sentia bem, e era verdade. Ele disse que não, que ainda precisava dos medicamentos. Saí de lá frustrada e ainda por cima tive que voltar a contar toda a minha história, o que era terrível para mim. 2 consultas depois estava lá um estagiário, eu já nem estava a tomar medicação nenhuma, mas dizia ao psiquiatra que sim e ele dizia que era por isso que me sentia bem. Pediu-me para contar novamente toda a minha história ao estagiário e eu disse que não. Era um assunto ultrapassado e que eu não me sentia à vontade de contar. Resposta: se não me sinto à vontade é porque o assunto não está ultrapassado e por isso tenho que continuar com a medicação. E lá fui eu a mais 2 ou 3 consultas, sempre a enganar o homenzinho com a medicação mas a ser sincera quando dizia que estava bem. Deu-me alta quase 2 anos depois e disse para parar com a medicação.

Aqui o louco era ele e queria fazer de mim também, mas a verdade é que o enganei e ele não foi capaz de perceber que eu não tomava a medicação, não percebeu que eu estava recuperada e achou que o meu bem estar era ficticio porque era resultado da medicação.

Enfim.
Acredita que vais ter situações hilariantes, eu própria vi algumas.

Desculpa o testamento, mas também só queria dizer que em psiquiatria não há só loucos, eu nunca fui apesar de todos os meus problemas.
Infelizmente associa-se psiquiatria a loucos e nem sempre é o caso e para mim era assustador ver os doentes internados a tomarem o pequeno almoço ao lado dos doentes das consultas como eu e dos familiares, eram expostos de pijama e tratados como delinquentes, só lhes faltavam as algemas uma vez que até as portas era todas trancadas. Compreendo que em certos casos isso é necessário, mas não há necessidade nem direito em expor assim as pessoas. Eu tinha pena e ao mesmo tempo medo de ficar ali no meio e exposta daquela forma. Terrível.

Estudante disse...

Ana D.: que história complicada. Fico contente por teres ficado bem novamente :) Psiquiatria não é só para doidos, embora a maioria das pessoas pense que sim... é um preconceito que temos de combater ;) Também concordo que a maior parte do tratamento que os psiquiatras prescrevem são fármacos e nem sempre é isso o suficiente. Mas a maioria das pessoas é o que muitas vezes exige... psicoterapia dá muito trabalho e exige muito do doente, ao passo que a medicação não ;)

Obrigada por partilhares a tua história :)

Ana D. disse...

A psicoterapia é desgastante, é um combate que fazemos connosco próprios, mas só nos faz bem, acorda-nos para a vida ao passo que a medicação, pelo menos a mim, só me fazia dormir.

Espero que corra tudo bem com o teu estágio e que não assistas a consultas com o meu psiquiatra eheheh :)

Boa sorte

Estudante disse...

Ana D.: vamos ver se são os novos médicos a alterar o paradigma :)

Muitos parabéns por teres ultrapassado esse problema ;)

Obrigada :)

Paula disse...

Como a Wendy, eu gostava de ter sido psiquitra, mas para ajudar as pessoas com algo mais que medicação. Acho uma área muito interessante, os mist´rios da mente humana são insondáveis! E evidentemente que a psiquiatria não é (só) para malucos, isso está ultrapassado.

Estudante disse...

Paula: são insondáveis, mesmo ;) claro que não é só para malucos... isso é um disparate!