quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Primeiras chuvas

Ontem a meio da tarde, umas grandes e escuras nuvens coroaram a montanha. Tão imensas e anafadas, prometiam uma valente chuvada que não veio a acontecer. Foram caindo umas gotinhas. Algumas delas mais destemidas que outras, aventuraram-se em quedas livres mais arriscadas, para depois se extinguirem numa terra gulosa de frescura. Mas, apesar de algumas bátegas mais bruscas, ficámo-nos apenas por um chão que mudou ligeiramente de cor - pinceladas em tons húmidos de castanhos e cinzentos - e uma brisa fresca e perfumada. E tão bom que é esse perfume de terra molhada!

O Sol sempre mereceu da minha parte um carinho mais marcado, mas confesso já ter saudades da chuva e de como ela deixa tudo coberto de pequeninos diamantes, sossegadamente pousados sobre a paisagem. 

Será que é desta que vem o Outono? As chuvas abrem caminho, com promessas de dias mais pequeninos, de tons dourados nas árvores e nos passeios; promessas de castanhas assadas e dióspiros; promessas de mantinhas no sofá... e depois instala-se a estação propriamente dita para cumprir todas as suas boas intenções.

Se não for pedir demais, que venham as trovoadas também; aquelas cortinas de ferro que caem pesadamente sobre a noite. Contrariamente ao esperado, trazem-me boas recordações essas tempestades carregadas de trovões e relâmpagos - as pessoas vão deixando impressas pequenas partes de si em ínfimas coisas...



Inté*

12 comentários:

Linda Blue disse...

Tu melhoras de dia para dia.
Adorei o texto :)
(Eu nasci no Outono, não gosto de frio, menos ainda de chuva, tão pouco de trovoada, mas as castanhas e os dióspiros são um verdadeiro consolo para atravessar essa época de sol filtrado)

Senhora Batata disse...

Escreves tão bem! :) Eu adooooro chuva, adoro mesmo... quando estou em casa sossegadita na minha caminha e não tenho de sair eheh caso contrário, não temos uma relação assim tão próxima. Detesto ter de sair de casa com um guarda-chuva e um sobretudo atrás. Mas sabe tão bem adormecer ao som da chuva. Ou até mesmo (e vou bater em mim própria por dizer isto) estudaaar ao som da chuva. Para mim é das melhores coisas deste mundo. E uiii a trovoada, tão bem que sabe estar na cama, debaixo dos cobertores, a ver um bom filme, a beber chocolatinho quente e a ouvir a trovoada e a chuva a bater na janela... *suspiro*

Observador disse...

Estudante 'dótora'
Consegues escrever melhor que eu, o que não é fácil :)))))
A chuva faz falta e sabe bem (ó p'ra mim armado em romântico!)
Temos que aguardar pois não será, ainda, esta semana.

Estudante disse...

Linda Blue: és uma querida :) eu adoro castanhas e dióspiros!

Senhora Batata: não poderia estar mais de acordo! É isso mesmo :D é tão bom estudar com a chuva lá fora e nós muito quentinhos em casa :P

Observador: ahaha :D Então aguardamos mas um bocadinho ;)

esperto que nem um alho disse...

Aqui caíram uns pingos grossos vindos de sul (via Marrocos), que deixaram os carros salpicados do pó do Saará. :/
.

Estudante disse...

esperto que nem um alho: pelo menos foi um pó estrangeiro e diferente :P

Gaja Maria disse...

Sim, saudades dos domingos à tarde com chuva e lareira :)

Anónimo disse...

já te sigo há algum tempo, sem comentar, mas tenho mesmo de dizer que adorei o texto. és tão perceptiva. :) desta vez, não ficas sem comentário, não senhor! um beijinho muri

AvoGi disse...

Chuva? Por favor não me dês esse desgosto! Vou amanhã pr o continente e não quero chuva, ouviste?
Kis:=>)

Moa disse...

Adoro o cheiro da terra molhada...

Estudante disse...

Gaja Maria: tão bom! :D

AvoGi: eu não mando nada :P ahaha! Mas está solinho, hoje ;)

Moa: ;)

Estudante disse...

Anónimo, não tinha visto o teu comentário! Desculpa o meu lapso :) muito obrigada! ;)