sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Solas e sapatos

Estive a olhar atentamente para os meus sapatos. As suas solas não enganam ninguém: eu tenho um andar estúpido. A minha tendência é gastar mais o lado exterior da sola do que o de dentro. Como é que eu faço isso? Não tenho a menor ideia mas, imaginando a posição que o pé deve assumir para que eu consiga tal proeza. sinto-me uma potencial contorcionista.

Tive uma vez um tutor que me conhecia pelo andar (acho que até já mencionei essa história por aqui. É chato repetir as mesmas coisas, sobretudo para quem lê, mas depois de alguns anos de blogue é quase inevitável. É como aquelas reuniões de família em que as pessoas contam histórias que já ouvimos vezes e vezes sem conta, mas continuamos a agir como se fosse a primeira vez, para evitar indelicadezas. Mas adiante). 

O meu andar é igual ao da Manhê, mas o andar da Manhê não é igual ao da Avó. A Avó tem um andar muito delicado e baloiçado, um pezinho à frente do outro, sem erro. Não sei como ela faz ou de onde lhe vem essa música. Já nós, não herdámos tanta elegância. Eu pelo menos, insisto num andar que a mana chama de "andar à pato" e não levanto suficientemente os pés. Pés muito assentes na terra... se calhar, às vezes, deviam levantar mais um bocadinho.




Inté*

9 comentários:

esperto que nem um alho disse...

Vai à oficina, que isso são sintomas de direção desalinhada. ahahah
Falando de modos de andar "delicados", aqui a "sô dona esperta" parece um cavalo no empedrado. Parece que a cada passo que dá, está a espetar um prego na calçada, com o tacão. eheheheh

Nádia disse...

Eu também devo ter um andar estranho -estúpido, vá- tendo em conta as vezes que tropeço... mas se dá para ver na sola parece-me grave!

Estudante disse...

esperto que nem um alho: ahaha! Eu nem uso saltos, tal é a quantidade de paralelos que há por aqui :P

Nádia: tropeçar, não tropeço muito :P

Portuguesinha disse...

Provavelmente - e é só um palpite, a tua avó teve uma educação rígida, no sentido de que tinha de manter uma boa postura, porque era assim que as meninas se comportavam. Tinha de andar com as costas direitas, sentar-se direita, ter postura de senhora correta na igreja, etc.

Nós fomos criados sentados no sofá todos dobrados para a frente ou relaxados para trás, a ver televisão. Temos tablets e telemóveis que nos obrigam a andar curvados para a frente e aparelhos de som que se espetam nos ouvidos.

Muuuuuuuito diferente.
Ou então a tua avó teve de acatar vários baldes de água ou outros pesos no topo da cabeça. Isso também ajuda a andar "na linha" loool

Estudante disse...

Portuguesinha: a minha Avó não teve uma educação rígida mas, felizmente, também não teve de levar baldes de água no topo da cabeça :) ela é assim porque é a maneira dela... tem um andar elegante por natureza :)

Quanto às novas tecnologias, eu percebo o que queres dizer, e talvez isso até se pudesse aplicar à minha pessoa, embora em pequena não tivesse nada dessas coisas... mas nunca se poderia aplicar à minha Mãe :P Por isso, acho que é mesmo um traço nosso. Somos nós que andamos assim e pronto :P

Paula disse...

Ahahaha!! Isso, andar à pato :)

Estudante disse...

Paula: :)

redonda disse...

Como não cheguei há muito, acho óptimo que se repitam textos :)
Gosto de andar depressa e nunca tinha pensado muito nas formas de andar...talvez possa depender também do calçado (quando estou com saltos por exemplo já não dá para andar depressa e preocupo-me é em manter o equilíbrio :)

Estudante disse...

redonda: sim, tens razão :) é por isso que eu nunca ando de saltos ahah :P